Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.24/129
Título: Caminhar e Chegar: Nota sobre peregrinações, turismo e desenvolvimento
Autor: Maia, José Augusto
Data: 2010
Editora: Edições ISMAI
Resumo: Há três grandes tipos de peregrinação: a que se faz por obrigatoriedade, como é o caso de Meca, a que se faz para solicitar ou agradecer uma graça, como Fátima,ou a que se constitui num percurso que se faz pelo próprio percurso, e em que,ao contrário dos dois anteriores, o chegar é apenas um dos momentos e não «o» momento, em que fazer o caminho, caminho exterior, físico, mas também e sobretudo caminho interior, espiritual, é o verdadeiro acto central. Este, cujo exemplo mais acabado é o do Caminho de Santiago, é aquele em que a caminhada é o mais importante. Uma caminhada aberta ao que rodeia o caminhante. Aos campos, às cidades, aos monumentos, às pesoas. Por isso é este que, em termos turísticos apresenta maior valia. Não é por acaso que o Caminho de Santiago constitui a maior receita da Galiza. E que a sua Sociedade de Gestão tem uma autonomia quase «ministerial». Muitos peregrinos ficam em albergues, mas muitos mais em casas particulares (mas legalizadas)em pequenos Hoteis (e também em grandes), fazendo as suas refeições nos milhares de restaurantes existentes ao longo dos vários «caminhos», interagindo entre si e com a população, constituindo-se num enorme peso na economia. Um grupo de municípios, cobrindo todo o caminho português do litoral, do Porto a Valença, organizou-se e elaborou um projecto de valorização, sinalização e divulgação do Caminho que será submetido a financiamento comunitário, num esforço inédito, que conta com a colaboração da Xunta de Galicia e da S. A. de Xestión do Plano Xacobeo. O que se pretende com este trabalho é enquadrar aqueles três grandes tipos de peregrinação numa perpsectiva de desenvolvimento turístico e dar a conhecer este esforço de valorização do Caminho Português do Litoral.
There are three main types of pilgrimage: the one done by religious obligations, such as Mecca, the one who is made to ask for a godsend, a blessing or even a miracle, such as Fatima, and the one who is done for the pilgrimage itself, that is, the journey, the way, is the important, and unlike the previous two the important is not the moment of arrival but the way. This way is physical, but also and especially spiritual, a true inner journey. The best example of this third kind is the «Caminho de Santiago». It is a pilgrimage open to the surrounding world, to the fields, the cities, the monuments. So this is the one that, in terms of tourism, has a higher value. It is no coincidence that the Caminho de Santiago is the largest revenue of Galicia. And its Management Company has a power almost ‘ministerial’. Many pilgrims stay in hostels, but many more in private homes (but legalized) in small hotels (and also in large), making their meals in the thousands of restaurants along the different ‘roads’, interacting with people , becoming a huge burden on the economy. A group of municipalities, covering all the Portuguese way by the coast, from Oporto to Valença, drafted a recovery plan that will be submitted for funding, in an unprecedented municipal effort, with the collaboration of Xunta de Galicia. The aim of this work is to study those three main types of pilgrimage in a touristic perspective, and to reveal this effort of recovery of the Portuguese Coastal Way.
URI: http://hdl.handle.net/10400.24/129
ISBN: 978-972-9048-47-0
Versão do Editor: II
Aparece nas colecções:Textos em volumes de atas de encontros científicos nacionais e internacionais [2]

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
jose augusto marques.pdf869,27 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.